Louis, o grande

la-belle-personne-17-09-2008-3-g1

Se Isabelle Huppert é de longe a minha atriz favorita, Louis Garrel sem dúvida é o meu predileto.

Filho do diretor Phillipe Garrel (de Amantes Constantes e A Fronteira da Alvorada), Louis têm brilho próprio e já mostrou que seu talento é mesmo nato.

Recentemente foi capa da conceituada revista de cinema, Cahiers du Cinéma, onde falou da comparação com Jean Pierre Léaud, ator-fetiche de François Truffaut (para ele um elogio) e de todos os seus papéis no cinema.

Seu primeiro papel de destaque foi no filme Os Sonhadores do Bernardo Bertolucci, no qual interpretava o charmoso e cinéfilo Theo, que com a irmã gêmea discutiam todo o sistema da época, envoltos a vinhos caros, hábitos burgueses, filosofias furadas e pouca ação.

Depois, com Christophe Honoré começou uma série de filmes

Ma Mère – com Isabelle Huppert – o mais polêmico deles, baseado na obra inacabada do escritor francês Georges Bataille – no qual se envolvia sexualmente com a mãe e sua amante bissexual;

Dans Paris – onde contracena com Guy Marchand e Romain Duris. Interpreta um bon vivant que convive com um irmão depressivo e suicida.

Chansons d’amour – onde canta divinamente bem (a trilha sonora é incrível – de baixar e escutar até cansar). O filme traz ainda uma temática gay bem interessante.

La Belle Personne (que foi traduzido como A Bela Junie) – onde interpreta um professor de italiano que se envolve com uma aluna do ginásio. Talvez esse seja o filme mais nouvelle vague de Honoré. Aliás, esse diretor resgatou uma temática e estética bem anos 60, com uma dose forte de Truffaut, tanto na fotografia – sempre impecável – quanto nos diálogos, argumentos e ideias.

Com seu pai filmou Amantes Constantes – Fala da revolução estudantil de maio de 1968. Filme forte, em preto e branco, com mais de 3h de duração. Fotografia impressionante e emoção pura. Mas é um filme para poucos eu diria.

Bom ficar de olho no menino, seus filmes são muito bem escolhidos (na França o status é do diretor, não dos atores).

Aliás, os filmes franceses nos fazem pensar – além de nos divertir. Deixe a preguiça de lado, faça uma listinha amiga, passe na locadora, compre pipoca light, refri e se jogue.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: